março 31, 2005

JOÃO PAULO II - A PROXIMIDADE DA OUTRA VIDA

Agora que parece confirmar-se a notícia da extrema-unção dada a João Paulo II e que as especulações acerca dos seus possíveis sucessores começam a circular com mais intensidade, recordo uma "ferroada" que um jesuíta amigo me contou há muitos anos:

"Deus aparece a João Paulo II durante as suas orações e concede-lhe a resposta a três perguntas.
Sua Santidade pergunta:
- Será que algum dia as mulheres serão ordenadas padres?
- Meu filho, responde-lhe Deus, isso não acontecerá durante a tua vida.
- E será que algum dia o comunismo dominará o mundo?
- Meu filho, isso não acontecerá durante a vida dos homens.
Mais animado, o Papa avança uma pergunta mais pessoal:
- E quando voltará a haver um Papa polaco?
-Ah meu filho, responde Deus com ar grave, isso não acontecerá na minha vida!"

A ferroada justificava-se. No pontificado do presente pontífice, a Companhia de Jesus foi perdendo o poder e influência que sempre deteve na Cúria Romana (apesar do voto que todo o jesuíta faz de não ocupar cargos de poder eclesiástico) a favor de uma entidade que lhe é tão intrínsecamente antagónica como a Opus Dei.
Será muito interessante de seguir a silenciosa disputa de poder que se seguirá ao falecimento do presente Papa. Conseguirá a obra de Deus assegurar o lugar para um dos que lhe são favoráveis? Assistiremos à sua substituição pela emergente Comunhão e Libertação? Ou uma vaga de fundo dos que ainda preferem a palavra de Jesus à palavra da intolerância colocará na cadeira de Pedro um reformista progressista?
E como as personalidades deste país persistem em ser hipóteses para lugares-chave internacionais, será que, quando o Habemus Papa! fôr triunfantemente declamado da varanda do Vaticano, teremos a satisfação de ver assomar como tal o Cardeal Patriarca de Lisboa, D. José Policarpo?

POPULICES

"O povo já se manifestou no mês passado; agora só precisamos dele outra vez para as próximas eleições."

É assim que eu traduzo a mais recente tomada de posição do PCP na questão do aborto, defendendo a revogação da lei vigente pelo Parlamento e descartando a hipótese do referendo.

Aliás, os referendos só são bons quando as sondagens nos são favoráveis, não é?

março 29, 2005

CADERNO DE VIAGEM - NORTE ALENTEJANO (XIII)

Cabeço de Vide: as termas serão um meio importante de manter a vida nesta aldeia do Alentejo menos visitado. Estavam fechadas, neste Inverno desesperado por uma gota de chuva e inundado de Sol.


Image hosted by Photobucket.com


Interessante esta edificação, avistada do castelo. Turismo rural? Requintes para uma casa particular de quem pode? Arquitecto agricultor?
Gostava de saber.


Image hosted by Photobucket.com

PROPAGANDA

Image hosted by Photobucket.com



Para além da discussão teológica e da validade do dogma, fica a tremenda eficácia da máquina de propaganda do Estado Novo - sessenta e cinco anos depois e o cartaz ainda está em forma.

março 26, 2005

CADERNO DE VIAGEM - NORTE ALENTEJANO (XII)

Talvez por ter sido solo para tantos locais de adoração, perduram no Alentejo esta infindável influência fálica:


Image hosted by Photobucket.com



Image hosted by Photobucket.com



Image hosted by Photobucket.com

março 25, 2005

1/PRINCÍPIO DE PETER

Portugal, do alto da sua originalidade de país com as mais antigas fronteiras delimitadas do mundo, insiste em inverter um dos princípios mais universais que rege a vida das organizações: o princípio de Peter.
Com efeito, se cada vez parece mais consensual que toda a gente é promovida até à sua máxima incompetência, a carreira pública dos políticos portugueses mais ilustres encarrega-se de demonstrar precisamente o axioma inverso - só após um máximo de incompetência é que a verdadeira competência se manifesta.
Vejam-se os exemplos mais paradigmáticos:
- Mário Soares que, de primeiro-ministro razoavelmente incompetente, garante a promoção a Presidente da República;
- Jorge Sampaio que, de presidente da Câmara de Lisboa sofrível (compare-se a sua actuação com a do seu sucessor), garante igualmente a sua promoção ao mais alto cargo da República;
- Durão Barroso que, de primeiro-ministro falhado e fujão, obtém a sua promoção à presidência da Comissão Europeia;
- E agora António Guterres que, de primeiro-ministro mole e desistente, está na calha para alto-comissário da ONU para os Refugiados.

(E ainda falta conhecer-se o destino de Santana Lopes...)

março 23, 2005

PLANETA GLASGOW

Os blogs são como as folhas das árvores - uns mais perenes do que os outros. Eu gosto de ler muitos, de estar com eles, de seguir os passos de quem os faz. E fico triste quando se vão, folhas caídas em rios sem retorno.
Recentemente, tive uma boa surpresa com uma portuguesa que vive longe e se dá ao trabalho de manter laços com os que ainda ficaram. Dava-se, porque a sua escrita parou por aqui (e nem posso indicar o link, porque o corte foi tão radical que acabou com o endereço).
Mandou-me uma mensagem de despedida simpática e muito bonita e eu resolvi fazer-lhe a maldade de publicar as fotografias que me enviou. Curiosa temática, fotografias do renascer, numa carta de despedida:

PRIMAVERA DE GLASGOW (ou como deBlogar se VOAVA longe)
Image hosted by Photobucket.com

Image hosted by Photobucket.com

Image hosted by Photobucket.com
Image hosted by Photobucket.com
(all pics: copyright by Veronica N.)

março 22, 2005

AND THE OSCAR GOES TO

O Pritzker deste ano foi atribuído a Thom Mayne (fundador da Morphosis).
- Press-release aqui.


(Imagem retirada daqui - vale a pena ver e ler)

(Lamento Lourenço, ainda não foi desta...)

CADERNO DE VIAGEM - NORTE ALENTEJANO (XI)

Este ano haverá muitos mais.


Image hosted by Photobucket.com

CADERNO DE VIAGEM - NORTE ALENTEJANO (X)

Se isto não é o arquétipo do alentejo profundo, então não sei qual será:


Image hosted by Photobucket.com

CADERNO DE VIAGEM - NORTE ALENTEJANO (IX)

Faço um desvio da estrada principal, em direcção a Cabeço de Vide. Orientar-me-à este masoquista destino português de contemplar um passado em ruínas? Li algures que a estação ferroviária local morre lentamente abandonada, possuidora de um dos mais característicos conjunto de paineis de azulejos das estações da CP.


Image hosted by Photobucket.com


Afinal os textos perdem actualidade, por uma vez pela positiva. A estação está toda recuperada para albergar uma pousada. E os azulejos brilham, na sua singeleza naif, retratos de um Portugal que, há muito, se quis assim idealizado. Não sei se chegou a ser. Sei que já não é.


Image hosted by Photobucket.com



Image hosted by Photobucket.com



Image hosted by Photobucket.com



Image hosted by Photobucket.com



Image hosted by Photobucket.com

março 21, 2005

"AMIGOS" DE ESTIMAÇÃO

Sportinguista que se preze, hoje, torce pelo FCPorto.

INTERESSES

"Passou-se alguma coisa de muito interessante nos últimos minutos aí na Assembleia?", pergunta o pivot da SICNotícias à repórter que cobre o debate do programa do Governo.

Para a esmagadora maioria dos portugueses não se passa nada de interessante no hemiciclo há muuuuuuitos anos.

MARGINAL, 98.1

Image hosted by Photobucket.com

Uma rÁDio pra COtas

março 20, 2005

RACKETING

Recentemente, um amigo viu ser-lhe chumbado um projecto de alterações para um edifício de sua propriedade situado numa zona cada vez mais apetecível da cidade, com base em razões puramente subjectivas e altamente discutíveis do ponto de vista técnico. Fosse este meu amigo um total leigo na matéria e a redacção da apreciação do projecto feita pelos técnicos camarários e respectivas chefias teria originado, no mínimo, umas horas de discussão tensa com os autores do projecto em torno da sua efectiva competência para executar projectos. Felizmente este não é o caso e as coisas lá foram resolvidas com alguns contorcionismos de desenho e concepção para acomodar as bizantinices do relatório camarário.
Tudo isto não acrescentaria nada à já longa e antiquíssima história das relações entre projectistas, as autarquias deste país e seus respectivos técnicos.
Novidade, novidade, é este meu amigo ter sido contactado, menos de uma semana depois do "chumbo", por alguém muito interessado em comprar-lhe o imóvel, supostamente um mono sem préstimo nem possibilidade de sofrer obras de aumento de área.
Coincidência, sem dúvida.

A REABILITAÇÃO URBANA E LISBOA (XIII) - DESVARIOS

Desde sempre, um dos objectivos do pelouro da Reabilitação Urbana da Câmara de Lisboa foi o da melhoria das condições de habitabilidade dos fogos e edifícios implantados na sua área de intervenção. Tal melhoria implicava a introdução - quer nas obras coercivas quer nas obras municipais, quer nas obras efectuadas ao abrigo do RECRIA quer nas obras particulares - de, entre outras benfeitorias, instalações sanitárias que comportassem, pelo menos, uma base de chuveiro, uma sanita e um lavatório. E como era elevado o número de fogos (principalmente em Alfama e na Mouraria) de fogos que as não possuiam de raiz!
Apesar de todos os progressos efectuados em matéria de legislação sobre qualidade construtiva (através da introdução de regulamentos sobre redes de águas e esgotos, de electricidade, de telefones, de condicionantes térmicos e acústicos, de prevenção de incêndios), Portugal mantém em efectividade (ainda que com actualizações) um regulamento de edificações urbanas (RGEU)que data dos anos cinquenta do século passado. O que, entre outros, levanta - para quem lhe quiser pegar - o problema da total incompatibilidade de medidas mínimas pensadas para edifícios novos quando aplicadas à reabilitação de edifícios existentes. Traduzindo, um projecto de alterações de um edifício de construção anterior à entrada em vigor do RGEU, corre o risco de ser chumbado porque variados itens não cumprem (nem nunca poderão cumprir) o previsto na legislação.
Ridículo? Claro. Não existe bom-senso para perceber a especificidade destes casos? Até agora tem existido.
Até agora.
Recentemente, a Direcção Municipal de Gestão Urbanística chumbou a emissão de licenças de utilização de fogos objecto de obras recentes. Razão? Não cumpriam o RGEU na totalidade (entre outras razões, porque as casas-de-banho introduzidas não tinhas as áreas mínimas da lei). Curiosidade: os fogos "chumbados" estão todos implantados em áreas históricas e as obras ou foram aprovadas pelos serviços da câmara ou foram, em alguns casos, obras coercivas ou municipais. Curiosidade maior: a Direcção Municipal da Gestão Urbana também o é da Reabilitação (DMGRU), pelouro de onde sairam as tais indicações iniciais para a introdução das casas-de-banho.
Terá tudo isto algumas coisa a ver com as guerras de poder que agitam os bastidores e que há muito ultrapassaram a guerrilha ideológica e partidária inicial da mudança de côr política da vereação?

março 18, 2005

JURÁSSICO

Quando um investigador do futuro se debruçar sobre a música popular produzida pela cultura ocidental na década de setenta do século vinte terá provavelmente a mesma reacção que sentimos hoje quando ouvimos estas variações tailandesas sobre a mesma. (Página geral da tv tailandesa)
Só não sei é explicar que tipo de reacção temos...
[link com mais explicações aqui]

QUANTO MAIS MELHOR

O Governo pretende estender a escolariedade obrigatória até aos 18 anos.
Quando o PCP mandava no pelouro da reabilitação urbana da Câmara de Lisboa, o então director municipal insistia que uma das obrigações principais do pelouro era impedir que os moradores abandonassem os Bairros Históricos. Para além de ninguém ter conseguido definir eficazmente a política a seguir para atingir tal desiderato, nunca percebi qual o objectivo pretendido a menos que submersa, houvesse uma intenção de os transformar em Gulags ou reavivar-lhes o seu passado de Guetos. Na altura defendi que, sendo a sociedade portuguesa uma sociedade democrática e, de alguma forma, liberal, cada um era livre de construir o seu destino (o que incluía a escolha do seu lugar de residência) desde que cumprisse as leis vigentes e não pusesse em causa os direitos dos seus concidadãos. Proporcionem-se condições para que habitar os Bairros históricos seja agradável e ninguém quererá sair de lá.
O problema com a escolariedade obrigatória parece-me o mesmo, ou seja, coloca-se a enfâse na obrigatoriedade de frequência para supostamente se conseguir uma educação à força, ao invés de, através das melhores oportunidades de trabalho proporcionadas por uma educação de maior nível, criar a apetência pela prossecução dos estudos.
O que vem sucedendo na educação no Portugal pós-25 de Abril é consequência dessa obsessão: baixou-se o nível de exigência para que os filhos das classes menos favorecidas não se sentissem marginalizados pelo que se pressopunha fossem barreiras culturais demasiado altas, conseguindo-se com isso o efeito contrário - a escola não prepara, a escola não ensina, a escola não dá - mesmo a prazo - dinheiro, logo abandona-se. Segunda consequência, o afrouxar dos níveis de exigência estendeu-se ao ensino superior quer na capacidade dos alunos para apreender matéria mais aprofundada quer na capacidade que as universidades deixaram de ter de acompanhar as solicitações do exterior - gerando-se deste modo as ausências de saída profissional para inúmeras licenciaturas.
Porquê então aumentar a obrigatoriedade de frequência escolar para os 18 anos? Para além da questão programática (que é quase demagógica pelo que expus), pressuponho que ela ajudará a baixar, senão as estatísticas do desemprego, pelo menos a pressão social que tanto jovem desocupado cria. Mas, a ser assim, não valeria mais a pena estender a obrigatoriedade até à licenciatura? Pelo menos resolvia-se de uma vez por todas o nosso défice de licenciados!

março 16, 2005

PHOTO IN PROGRESS

Image hosted by Photobucket.com

I HEARD IT THROUGH THE GRAPEVINE

Wm três dias, a actividade da presidência da Câmara deu um salto de velocidade. Ele são reuniões, ele sãoprojectos, ele são fundos de investimento imobiliário...

março 15, 2005

QUANDO FOSSE GRANDE QUERIA SER ASSIM

Nascer com gosto e sem jeito é (escrevia eu há bocado a M.) como gostar de beluga e só ter dinheiro para comprar carapau: uma limitação grave e um tormento permanente.
Consegue-se evitar a inveja?
Não se consegue.
Consegue-se, cristãmente, perdoar e seguir tecendo loas ao Criador?
Difícil e tão penoso...
(M. delicia-se com os múltiplos links partindo do misspelledtype e recambia-mos com expressões deliciadas)
Mostrar os meus rabiscos para quê? Aqui, está-se melhor.

(E querem modos de bem preencher as vossas m.skines?)

BANAL IDADE

Deviámos emigrar,
deixar este país aos santanetos
aos socretos
aos soaretos
aos portetos
aos axegãs
lírios do rio
lagostins de água doce
eucaliptos
e outros arrivistas.

março 13, 2005

A PERGUNTA QUE DEVERIA TER SIDO FEITA ONTEM

Foi a associação nacional dos hipermercados que patrocionou a tomada de posse do XVII Governo?

março 11, 2005

NOVIDADES

Mais três fotoblogs worth seeing: Irregular, Andrew's Photoblog, Ground Glass.

Um site para designers gráficos: Misprinted Type.

Duas visões de arquitectura de Tóquio e Itália.

Another brick in Moleskin's folly: Moleskine Art. Mais um aficionado por sketchbooks - Russ Stutler (e por canetas - another one of my follies).

HÁ UM ANO COMO AGORA

Image hosted by Photobucket.com

março 10, 2005

OH BARBARA...

Quelle connerie la guerre

[Maria - Épanouie, ravie, ruisselante...]

março 09, 2005

A RAPARIGA VAI LONGE!

Para quem, como eu, a conhece há mais de vinte anos, a ascensão não foi uma surpresa.
Ana Paula Vitorino, paulatina, conquistou o seu espaço. De secretária de estado a ministra será apenas o tempo de uma futura remodelação.
Que a competência que sempre demonstrou no passado a continue a acompanhar nas neófitas funções governativas. Dava jeito ao país.

março 08, 2005

CADERNO DE VIAGEM - NORTE ALENTEJANO (VII)

A ponte romana de Vila Formosa:


Image hosted by Photobucket.com
Monumento Nacional desde Junho de 1910; na EN 369 entre Ponte de Sor e Alter do Chão a 12km desta.

Image hosted by Photobucket.com
Os romanos foram uns fantásticos engenheiros. Comparada com esta longevidade, a expectativa de vida do nosso betão armado faz-nos parecer aprendizes de feiticeiro.

Image hosted by Photobucket.com
Onde se construía para a imortalidade, constroi-se agora para o lucro (económico, político...) imediato.


Image hosted by Photobucket.com

Estes buraquinhos semeados em cada uma das pedras não são vestígios de acne pênsil; serviam de apoio às garras dos aparelhos de elevação romanos.

BLOGGER'S LIFE

"(...)
Poder ficar dentro de casa, na penumbra, vestido em andrajos ou seminu, de gravata ou alpercatas e sem sair da cadeira entrar em contato com o mundo inteiro, é experiência fascinante. Não é de estranhar que as noites sejam consumidas ali. Que os dias passem mais rápido. Que a roupa se acumule no tanque, a louça transborde da pia, a geladeira fique vazia e a poeira se adense sob as camas e sobre as cômodas.
(...)"

Vale a pena ler tudo, nesta Carta Aberta, directamente de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

NÃO SE IMPORTAM DE REPETIR?

Image hosted by Photobucket.com

Pêssego em calma? O que diabo é um pêssego em calma?

março 07, 2005

É COMO O OUTRO

"António Vitorino está para a política como Cristiano Ronaldo para o futebol", segundo Abel Castelo Branco em declarações ao Diário Económico
Porquê - só tem sucesso no estrangeiro?

RABOS DE PALHA

"António Vitorino não foi ministro porque não quis e não quis porque não gostou"
(dos noticiários da TSF)

Eu, se tivesse convites dos escritórios de José Miguel Júdice e de André Gonçalves Pereira, não gostaria. Mesmo nada.

E QUE TAL UMAS AULINHAS DE DICÇÃO?

Jornal das 10, TSF:
"Manuel Monteiro considerou redícula a atitude (...)"

MURCOOOOUNGGG!!!!

Seja bem-vindo, senhor doutor. Instale-se (com todo o prazer do dono desta casa) na salinha aqui ao lado:

março 05, 2005

BOM POVO PORTUGUÊS

As últimas eleições deram uma esmagadora vitória às forças da esquerda em Portugal.


[Freitas do Amaral, próximo Ministro dos Negócios Estrangeiros]
(Imagem tomada de empréstimo daqui)

CADERNO DE VIAGEM - NORTE ALENTEJANO (VI)

Strolling Castelo de Vide...

















O que difere neste urbanismo cristãos de judeus? O que difere estas fés?

PELA NOITE

La Boeheme na 2:
Ah, assurdi amori...

março 04, 2005

CADERNO DE VIAGEM - NORTE ALENTEJANO (V)

Não sei se por uma conjugação desconhecida (pelo menos para mim) de forças naturais, se pela pouca concentração demográfica ajudar à sua preservação. Sei que, por todo o norte alentejano, residem expectantes dezenas de megalitos: menires, antas, cromeleques.



O menir da Meada é o maior menir da península. Perdido no meio de caminhos secundários, soberbo contempla os raros visitantes. Só nos pormenores diferirá a paisagem do tempo da sua erecção. Desde sempre a mesma humana atenção aos sentidos, a mesma fixação na procriação.



O menir causa respeito, impõe silêncio, recolhimento. Talvez nisso tenham mudado os tempos. O que então seria festa, pagânica celebração da vida, é substituído hoje por uma postura quase reverencial pelo passado e pelo engenho e arte que terão originado tal obra.
Mais uma vez, é a função que se perde e a arte que nasce. [De que falamos quando falamos de arte pré-histórica?]

[Aqui, um relato interessante acerca do povoamento pré-histórico na área da Pavia]

março 03, 2005

SILÊNCIOS

É notável o silêncio à volta da constituição do novo Governo.
Como se ninguém se importasse.

março 02, 2005

A REABILITAÇÃO URBANA E LISBOA (XII)

Face às decisões de carácter urbanístico que vêm a ser tomadas pela autarquia, a reabilitação urbana não passa de um fogacho de bonitas intenções, ornado de um orçamento que é mais fictício que real (vejam-se os níveis de execução), e que serve apenas para, em discursos e panfletos, se afirmar que, sim senhor, a reabilitação dos imóveis antigos é a prioridade das prioridades.
Não passa de uma mentira.
Quando é evidente o decréscimo populacional da cidade nos últimos 30 anos, quando está estatisticamente comprovado o continuado aumento de fogos desabitados (com ou sem condições de habitabilidade), é desprovido de sentido promover a construção de mais habitação. Compreende-se que a autarquia licencie os processos postos a aprovação que cumpram o previsto no PDM. Mas ser ela própria a impulsionadora, quer através da EPUL (e não me estou a referir a habitação social) quer através da permuta ou venda de terrenos para pagar desnecessárias intervenções (mais teatros municipais em Lisboa são desnecessários) ou tapar buracos financeiros?
Partindo do princípio que a totalidade das novas habitações é vendida, quem habitará terão os fogos já devolutos ou os que ficarão como tal depois de abandonados pelos antigos ocupantes, atendendo a que a população se reduz e a riqueza da mesma segue a mesma tendência?
Se a aposta é no retorno da população jovem emigrada para a periferia, quais as mais-valias oferecidas? Há um pensamento estratégico global na CML? Já alguém pensou nisto? Algum dos assessores do presidente? O chefe de gabinete? Talvez a vereadora dos pelouros interessados (Urbanismo e Reabilitação e que até foram reunidos sob o mesmo comando)? A directora municipal para a Reabilitação? Alguém...?

ÓCIOS

Para os que:
- Não têm nada para fazer;
- Têm muito para fazer mas estão sem qualquer tipo de vontade para continuar;
- Fingem que têm muito que fazer para justificar o emprego;
- Têm a mania que são inteligentes e gostam de ser desafiados;

eis o que se anuncia como O MAIS DIFÍCIL ENIGMA DISPONÍVEL NA INTERNET

março 01, 2005

IN CASE YOU HAVEN'T NOTICED

A lista de blogs de outros cantos do mundo continua a crescer.
Na região dos photoblogs há também novas entradas muito interessantes. Da Hungria, Dinamarca e Aústria. Olhares privados sobre públicos locais.
Ah, e novas pantagruélicas direcções também: do Panamá e da Nova Zelândia.

AI....

Pedro Santana Lopes de volta à presidência da Câmara Municipal de Lisboa?